Solange Tahira dá dicas úteis para o momento de contratar um Coach:


Um dia acompanhei uma colega para conhecer um desses produtos que substituem a refeição. Logo que chegamos ao local, fomos recepcionadas por uma senhora muito simpática que distribuía os folhetos do produto. Eu não pude deixar de observar que ela usava um crachá escrito coach. Minha colega também viu e descontraidamente comentou com a senhora, apontando para mim: “Ela é coach”.

Como coach profissional, trabalho com desenvolvimento de competências e sempre comento essa situação para fazer algumas orientações e esclarecimentos para evitar confusão de conceito. No artigo “O poder do coaching”, fiz uma breve comparação das diferenças entre coaching e outras especialidades como terapia, mentoria, consultoria e treinamento, informações básicas para que você possa escolher exatamente o que precisa em determinado momento da sua vida, ou mesmo entender a real necessidade da sua empresa, para fazer uma escolha assertiva para obter os melhores resultados e o retorno do seu investimento.

O resultado do coaching é concreto, efetivo e relativamente rápido, acredito que por conta dessa eficiência, outras áreas utilizam o nome “coach” e “coaching” para definir e executar variados serviços, como o exemplo que citei, por isso quero compartilhar algumas informações, para ampliar a percepção dos interessados no coaching como metodologia de desenvolvimento.
Podemos observar que a cada dia surgem novos coaches e várias escolas de formação, mas não posso deixar de comentar a respeito do termo “master coach” frequentemente utilizado.

Segundo a ICF Internacional Coach Federation, a principal organização global dedicada ao avanço da profissão de coaching, fundada em 1995, com 34.615 membros em 147 países e 22.905 coaches credenciados em 119 países (dados de 2018), um MASTER COACH, ou seja, um coach com a credencial MCC significa:

• Sólida formação, horas de atendimento profissional (mínimo de 2.500 horas), aprovação em prova teórica, prova prática com base em 11 competências essenciais, um código de ética e que este coach realizou mentorias com um profissional mais experiente.


• O mesmo se aplica a credencial PCC Professional Certified Coach e ACC Associate Certified Coach, o que diferencia o nível das credenciais, é a experiência horas de atendimento profissional (PCC: mínimo de 500 horas | ACC: mínimo do 100 horas) e o nível de exigência das provas.


• Conquistado a sua credencial o coach profissional não pode acomodar-se, pois a validade é de 3 anos e para renovação da credencial, o coach precisa comprovar junto a ICF, horas de reciclagem e atualização.

A ICF é uma associação independente sem fins lucrativos, que estabelece alto padrão de competência técnica e ética para o credenciamento do coach profissional e dispõe de relevante e grande acervo mundial de dados e pesquisas sobre coaching. Segundo dados da ICF de junho 2018, a porcentagem de membros da ICF por região demonstra:

• 47% América do Norte
• 23% Europa
• 9% Ásia
• 6% Leste Europeu
• 6% América Latina e Caribe
• 5% Oceania
• 4% Oriente Médio e África


Atualmente existem 22.905 coaches em 119 países que possuem uma das três credenciais da ICF:

• 4% MCC – 880 Master Certified Coaches
• 38% PCC – 8.694 Coches Certificados Profissionais
• 58% ACC – 13.331 Coaches Associados Certificados

No Brasil, temos 6 MCC (master coach), 85 PCC e 89 ACC.

Ressalto que temos coaches experientes, qualificados, de alto nível e respeitados no mercado e que não têm credencial da ICF. Meu objetivo é compartilhar estas informações, tanto para ampliar a percepção em relação a este mercado em crescimento quanto para estimular um olhar mais criterioso, diante da frequência que o termo master coach é utilizado.

Dicas práticas para escolher um coach:
1 – É fundamental observar a formação e a experiência do profissional, para que você tenha a
certeza de que estará contratando um processo de coaching.

2 – É importante ter clareza dos seus interesses, objetivos ou metas a serem alcançadas, para
que você possa avaliar o processo e mensurar o resultado adquirido.

3 – Para os gestores de RH, reforço a importância da definição dos objetivos a serem atingidos,
o levantamento das expectativas da empresa e do gestor, a criação de indicadores em relação
ao desenvolvimento do profissional que fará o coaching, mensurar como as competências a
serem desenvolvidas irão contribuir com as metas estratégicas da empresa/profissional e
principalmente, quais serão os recursos utilizados para avaliar os resultados e o retorno do
investimento.

4 – As credenciais MCC, PCC ou ACC são a comprovação que o profissional tem as competências
reconhecidas pelo maior órgão internacional de certificação de coach profissional a ICF.

5 – Para quem quer se tornar um coach, priorize e pesquise escolas acreditadas pela ICF, ou
seja, reconhecidas pelo padrão de qualidade e comprometimento com a formação dos
coaches profissionais.

Com essas dicas, espero ter contribuído para facilitar a sua escolha por um coach.


Solange Tahira


Siga e Compartilhe:
Como escolher um Coach
Classificado como:                                

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gostou? Compartilhe!